5 dicas de autocuidado para um Outono suave

1. Consumir fruta da época

Quando queremos navegar nas estações suavemente nada como aproveitar o que as mesmas nos oferecem.

Romãs, dióspiros, castanhas, maçãs, uvas, pêras e marmelos. Todas estas frutas são as dádivas de Outono que a Natureza generosamente disponibiliza como alimento e medicina natural.

De formato, sabor, cor e textura tão diferentes mas com funções e qualidades muito semelhantes, estas frutas estão carregadas de vitaminas – C, complexo B, A, E e K – sais minerais e antioxidantes, dos quais os taninos, que pelas suas propriedades adstringentes actuam como agentes de limpeza da laringe e da faringe, ao contraírem os tecidos e diminuindo as secreções das mucosas.

Sendo que nesta época estamos mais susceptíveis aos problemas de garganta, estas frutas vêm no momento certo, e com variedade para agradar a todos os palatos.

Já diz o ditado “Uma maçã por dia dá uma vida sadia”. De facto, reconhecem-se no dióspiro, maçã, castanha, marmelo (em chá) e romã a sua acção anti-inflamatória, contribuindo para reduzir a inflamação e as dores da garganta. A castanha tem ainda propriedades antitússicas, e a uva qualidades antimicrobianas, para além de fortalecer – tal como a maçã – o sistema imunitário.

2. Reforçar o sistema imunitário

Manter uma alimentação variada, sazonal, integral e preferencialmente de produção biológica é já meio caminho para um sistema imunitário resiliente.

Hidratar o organismo, com água ou tisanas quentes à base gengibre e limão será outro factor importante, a par de dormir 7 a 9 horas diárias.

Porque estamos também sujeitas a menos exposição solar, tomar um suplemento de vitamina D3 ajudará a compensar o défice dessa vitamina.

Os produtores de abelhas gabam sempre a geleia real e o própolis de serem os melhores suplementos na prevenção de gripes e constipações e fortalecimento do sistema imunitário.

Todavia, é sempre recomendável consultar um especialista na altura de tomar suplementos, pois – como dizia Paracelso –, a dose faz o veneno.

Quando quero tomar ou dar algum suplemento ao meu filho, recorro sempre à minha amiga e nutricionista parceira Inês Ruivo https://www.joanafroes.com/testimonial/nutricionista/.

3. Praticar exercício físico

Para além dos enormes benefícios que o exercício físico regular aporta ao nosso sistema cardiovascular, contam-se também os inestimáveis efeitos positivos que a prática de uma actividade de força, resistência ou flexibilidade contribui para o nosso bem-estar emocional, para o alívio da ansiedade e do stress.

Enquanto exercitamos são libertadas endorfinas, as hormonas da sensação de bem-estar, responsáveis por aumentar a disposição física e mental e reforçar o nosso sistema imunitário.

Numa altura do ano em que a luz solar diminui de dia para dia, mantermo-nos fisicamente activas ajuda-nos a manter o nosso equilíbrio emocional e o bom humor, que é sempre bem-vindo:)

4. Arejar a casa

Muitas vezes fica esquecido mas o nº 1 dos nutrientes mais importantes para o nosso organismo é o oxigénio. Hoje em dia passamos mais horas em locais fechados, e os materiais com os quais construímos, revestimos e decoramos as nossas casas, escritórios, ginásios, cafés, enfim, todos os locais por onde saltitamos, contêm na sua constituição aquilo a que se chama “compostos orgânicos voláteis” (COV), partículas que evaporam e inundam o ar que respiramos.

Muitas dessas partículas são tóxicas – provocando dores de cabeça e náuseas aos mais sensíveis -, e podem estar presentes nas tintas e solventes, nos electrodomésticos, tapetes, velas artificiais, colchões, etc. 

Não precisamos de voltar às cavernas mas podemos melhorar a qualidade do ar com pequenas soluções, e uma delas é tão simples como abrir as janelas permitindo a ventilação e a purificação do ar da nossa casa, contribuindo, assim, para a melhoria do nosso sistema respiratório, em particular, e da saúde, em geral.

5. Contactar com a “tribo”

Somos animais sociais, precisamos do grupo, de manter laços e dinâmicas interpessoais recíprocas que nos nutram, que nos oiçam, que nos validem, que nos amparem quando é preciso, e mesmo que nos deixem cair quando esse é o remédio para restaurar o equilíbrio.

Haverá coisa melhor que um abraço quente e apertado, um sorriso amoroso, uma gargalhada descontrolada, uma dança improvisada, umas festas na cabeça, uma mão entrelaçada na outra? Seja entre irmãos, amigos, casais, família, colegas, vizinhos.

O importante é manter o contacto com a nossa “tribo”, o nosso círculo fechado, seja mais ou menos alargado.

Naqueles dias mais taciturnos, a condizer com alguns dias outonais, fazer aquele telefonema longo, ir visitar alguém ou mesmo combinar uma castanhada ou um chocolate quente é um ritual que cuida e cura qualquer mal.